3 de setembro de 2015

Resenha: Não Se Apega, Não

Titulo: Não se apega, não
Autora: Isabela Freitas
Paginas: 256
Editora: Intrínseca

Resumo: Desapegar: remover da sua vida tudo que torne o seu coração mais pesado. Loucos são os que mantêm relacionamentos ruins por medo da solidão. Qual é o problema de ficar sozinha? Que me desculpe o criador da frase “você deve encontrar a metade da sua laranja”. Calma lá, amigo. Eu nem gosto de laranja. O amor vem pros distraídos.
Tudo começa com um ponto-final: a decisão de terminar um namoro de dois anos com Gustavo, o namorado dos sonhos de toda garota. As amigas acharam que Isabela tinha enlouquecido, porque, afinal de contas, eles formavam um casal PER-FEI-TO! Mas por trás das aparências existia uma menina infeliz, disposta a assumir as consequências pela decisão de ficar sozinha. Estava na hora de resgatar o amor-próprio, a autoconfiança e entrar em contato com seus próprios desejos.
Isabela Freitas, em seu primeiro livro, narra os percalços vividos por sua personagem para encarar a vida e não se apegar ao que não presta, ainda assim, preservando seu lado romântico.




Resenha: Isabela uma mulher de 23 anos, que cursa faculdade de Direito, muito sonhadora (em busca de um amor que a faz andar nas nuvens), por muitas vezes dramática e maluquinha. Melhor amiga de Pedro, um homem bonito e pegador (cada dia tem uma mulher diferente), mas que não gosta de demonstrar sentimentos ao contrário de Isabela. E Amanda também melhor amiga deles dois, uma “japa”, muito sábia, que namora o Victor, ela não quer um amor que a consuma e sim um “porto seguro”.



“Acabou. The end. Fim. Deve ser engraçado começar uma história pelo final, eu imagino. Quase todos os livros que já li até a data presente têm protagonistas que se apaixonam logo no início, lá pelo meio aparece algo que impede esse amor de acontecer e, no final…,bem, felizes para sempre. Aqui vai ser um pouco diferente, me perdoe. Eu jamais gostei de seguir padrões. ” (Pág. 14)


Isabela terminou com o Gustavo. Gustavo fazia o tipo o ciumento e controlador e eles namoraram por dois anos, mas, Isabela chegou no seu limite e decidiu pôr um fim no relacionamento. Desapegou!


“Abrir mão. Deixar ir. Desapegar. Isso liberta de alguma forma. Por mais que nos aprisione em lembranças do que poderia ter sido” (pág. 157).



Ela sempre à procura de um amor, (sentimento), e não gostava de ficar sozinha, então foi para a balada com Marina (“colega”), que a empurrou para cima de Evandro e eles acabaram ficando, logo depois o Evandro se agarrou com outra, bem na sua frente; Marina por sua vez se agarrou com o Gustavo (ex-namorado de Isabela). Nem preciso dizer que no dia seguinte o Gustavo tentou se explicar para Isabela, né?



“ Tenha ao seu lado somente aqueles que tornarão o seu filme inesquecível e único. Não insista em dar oportunidades aqueles que já tiveram inúmeras chances e a desperdiçaram todas as vezes. Chances não deve ser jogada no lixo como se fossem descartáveis. Para os capazes, apenas uma chance basta. ”



Isabela saiu com outros, Igor (seu primo) e Tiago (um ex-ficante esporádico), que foram decepções (mais aprendizados).

Isabela faz uma reflexão! Por que não ficar sozinha? Por que sempre estar em busca de amo? Sentimento? Por que se apegar ao passado? Por que se apegar as pessoas?

Agora ela está feliz e solteira, sem ficar à procura do amor!


“Acho que o amor existe, e é muito bonito. É lindo mesmo. Para quem sabe ver, para quem sabe sentir. Alguns se machucam pelo exagero, outros pela falta. Uns erram porque não conseguem sentir, outros porque sentem demais. O ideal é não se preocupar e não sonhar demais. O amor vem para os distraídos. Chega sem avisar. Não gosta que o esperem. E eu não espero. Não mais. ”


Eu gostei muito do livro, a princípio me pareceu que seria um livro de autoajuda, mostrando como você deve agir, e que o autor faz tudo aquilo. Mas ao contrário a Isabela é um ser humano normal, que erra e não é perfeita, aliás ela está longe disso, ela narra a sua história e faz com que nós aprendamos com as coisas, seus erros que ela passou. E mostra para que nos apegamos tanto a coisas/pessoas, se no fundo quando olharmos direito vamos perceber que elas nem nossas são.



6 comentários:

  1. Não gosto muito de livros de auto-ajuda, mas esse parece ser muito bom para as mulheres, por ser mais uma história de vida e aprendizado! Já vi críticas super curiosas dele.
    Adorei a resenha, conheci bastante a mais ^^
    Abraços :)

    ResponderExcluir
  2. Oi, Brenda. Também pensei que fosse um livro de autoajuda. Fico feliz que a leitura flui de forma especial para você. O que me intrigou na narrativa de vida da Isabela foi sua personalidade forte e, também, a história que começa pelo fim.

    ResponderExcluir
  3. Oi!
    Quando vi o livro pela primeira vez também achei que seria um livro de autoajuda, o que acabou me surpreendendo, acho que o livro dessa forma nos passa uma mensagem mais direta !!

    ResponderExcluir
  4. Oi Maiumy,
    Achei que era auto ajuda O.o, gostei de saber que é o contrário disso, espero gostar tanto do livro quanto você gostou.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  5. Dei esse livro de presente par uma amiga e ela simplesmente AMOU, não vê a hora de ler o segundo livro, a Isabela virou um fenômeno entre as mulheres com esse livro que retrata o que muitas precisam ouvir para se valorizarem mais ainda.

    ResponderExcluir
  6. assim como voce, pelo titulo do livro e olhando para a capa, também pensei que fosse um livro de autoajuda (coisa que eu não gosto) mas fiquei contente com o esclarecimento e pretendo ler.

    ResponderExcluir