17 de agosto de 2015

Resenha: Aprendendo a Seduzir

Titulo: Aprendendo a seduzir
Autora: Patricia Cabot (Meg Cabot)
Paginas: 368
Editora: Planeta


Resumo: Durante um baile, Lady Caroline Linford abre a porta de um dos cômodos e flagra seu noivo, o marquês de Winchilsea, nos braços de outra mulher.

Para a sociedade vitoriana do século XIX, tais escapulidas masculinas eram normais, e cancelar o casamento seria impensável. O jeito, decide a jovem, é aprender a ser, ao mesmo tempo, a esposa e a amante, para que o marquês nunca mais tenha de procurar outra mulher fora do lar. Por isso, resolve tomar lições - teóricas, claro - sobre a arte do amor com o melhor dos professores: Braden Granville, o mais notório libertino de Londres.

Logo nas primeiras aulas começam a voar faíscas e as barreiras entre professor e aluna caem.

Escrito por Meg Cabot, sob seu pseudônimo, esse romance vai mostrar que o amor escolhe seus próprios caminhos, sempre imprevisíveis.



Resenha: Quem será seduzido?

Caroline é uma moça que, como a maioria da sua idade, busca um casamento satisfatório, ou seja, que tenha conforto e romance. Mal sabe ela que o noivo, além de ter um caso com a noiva de Braden, também é um marquês falido, que vê em Caroline a chance de recuperar as suas finanças, já que possui um titulo, mas não possui riqueza. Por outro lado, a noiva de Braden, Jacquelyn, assim como o marquês, possui um titulo, porém não possui riqueza e vê em Braden, um empresário que possui riqueza, mas não um titulo de nobreza, a chance de ter a fortuna que um dia a família dela teve.


“Lamentavelmente, pareceu que devia ter batido antes, já que ela obviamente interrompeu um momento de extrema intimidade (pg. 11)”.


Logo nos primeiros capítulos, Caroline descobre o envolvimento de seu noivo com Jacquelyn, entretanto não sabe o real motivo da união dos dois. Acreditando que seu noivo buscou outra mulher por ela ser inexperiente na área da sedução, Caroline decide solicitar aulas teóricas sobre o assunto com Braden, considerado o maior amante de Londres, pois decide não ser apenas esposa, mas também amante de seu marido.


“- Bem, na verdade, senhor Granville, o que preciso é... preciso que o senhor me ensine a fazer amor (pg. 92).”


No decorrer das aulas, ambos começam a se sentir atraídos, porém tanto Caroline quanto Braden estão de casamento marcado. É interessante como o desenrolar da história ocorre, pois Caroline afirma mais de uma vez para sua amiga Emmy, que Braden não possui beleza. Braden, por sua vez, também considera Caroline 

“uma daquelas mulheres cujos atributos pareciam melhorar com o conhecimento (...) e valia bem um segundo olhar (pg. 138 e 139)”.

“Ele a estava beijando de uma maneira completamente diferente de qualquer outra que ela já experimentara (pg. 150).”


Braden se sente cada vez mais atraído por Caroline e começa a repensar seu compromisso com Jacquelin, já que ele sabe que ela tem um amante, porém não sabe que o amante em questão é o noivo de Caroline, que por sua vez, sabe do envolvimento de ambos, entretanto teme que Braden possa matar seu noivo se descobrir o caso dos dois.


“Ele a silenciou beijando-a, levantando seu rosto para junto do dele, com a mão que continuava em sua nuca e praticamente devorando sua boca. Caroline, querendo e ao mesmo tempo não querendo se afastar dele, ansiava por seus lábios com tanto entusiasmo como Braden pelos seus (pg.215).”


É um livro encantador, com muita sensualidade e uma dose de erotismo. Com uma leitura envolvente e apaixonante, impossível não se apaixonar também.


“Ele estremecia ao mais leve toque dela. Sentia-se entorpecido só de ouvir o som de sua voz. Apaixonara-se pela primeira vez na vida, e perdidamente (pg. 317).”


11 comentários:

  1. Oi, Sophia! Sua resenha está ótima, mas o livro não conseguiu me atrair. Fiquei com a impressão de que a trama se resume basicamente na sedução entre os personagens, e, acredito que seria o tipo de leitura que não me prenderia. Mas adorei conhecer um pouquinho mais sobre o livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Larissa! Esse é o meu preferido da Patricia! Amo esse gênero de leitura! Pena que você não curtiu muito o livro! Mas acontece! ;)

      Excluir
  2. Oi,
    Novamente um romance de época, um estilo que gosto muito, mas o livro não me atraiu tanto. A resenha ficou muito boa, porém, acho que por ser um livro com muita sensualidade e um pouco de erotismo, não me chamou a atenção. Vou procurar saber mais sobre o livro.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente Letícia o livro é bem sensual e erótico, mas eu acho lindo o desenrolar da estória!

      Excluir
  3. Olá, tudo bem?
    A premissa é boa, mas eu não curto muito livros românticos e com erotismo. Geralmente prefiro um bom terror. rs
    De toda forma, adorei a resenha.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de agosto. Serão dois vencedores.

    ResponderExcluir
  4. adoro ler romances de época, são um dos meus gêneros preferidos, já o enredo parece ser bem envolvente e por isso já to bem curiosa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Emanoelle sou suspeita pra falar, pois amei esse livro, é o meu preferido da Patrícia! Também amo romances de época, mas leio contemporâneo também!

      Excluir
  5. Meg Cabor falando de traição? Opa! Como disse no post anterior, nem sempre tudo acaba em comédia. Mas, continuo apreensivo por ler esse livro dela. Deve ser muito bom, de acordo com sua resenha.

    ResponderExcluir
  6. Oi Sophia!!
    EU leio muito os livros da Meg Cabot, mas nunca li nenhum livro dela assinado com este pseudônimo. Quero muito ler um romance histórico!!
    Mas estou tão indecisa porque não estou curtindo mais livros eróticos não, mesmo que este não seja o foco, entende?
    Beijos!!
    umlugarparaleresonhar.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Olá Becca! Entendo sim! Mas amo romances históricos e Patrícia Cabot escreve maravilhosamente bem! É um erótico/sensual sem sem vulgar! Bjo

    ResponderExcluir